Vitor Pamplona

Innovation on Vision: Imaging , Enhancement and Simulation

Fator de Impacto

Número de leitores do seu blog, seguidores do twitter, ranking do blogblogs, autoridade do technorati e page rank. Há diversas maneiras de calcular o seu fator de Impacto, muitas delas fazem sentido, outras nem tanto.

O fator de impacto de um pesquisador que trabalha no Brasil, por exemplo, é definido através do Qualis da Capes. O qualis é uma avaliação anual dos principais veículos de produção intelectual dos programas de pós-graduação stricto sensu brasileiros. Revistas e conferências são classificadas pelos próprios pesquisadores de acordo com sua circulação (Local, Nacional, Internacional) e qualidade (A, B, C).

A classificação varia de área para área: uma revista de física pode ser qualis A para computação e, ao mesmo tempo, qualis C para física. Neste caso, os pesquisadores de computação avaliaram a revista pela dificuldade de ter um artigo aceito por ela e não pela sua qualidade. Devido a fundamentação teórica diferente, é raro ver computólogos publicando em física, assim como é raro ver físicos publicando em computação. Raridade não é sinônimo de qualidade. Ter um trabalho aceito numa área diferente não quer dizer que o trabalho seja necessariamente bom. No exemplo, se alguém de computação publicar naquela revista de física terá mais um Qualis A em seu CV, o que lhe ajudará a adquirir mais recursos para a sua pesquisa. No entanto, o mesmo artigo é considerado apenas um Qualis C para a física, logo a pesquisa não é tão valiosa assim, e não deveria receber mais recursos.

Qual seria o fator de impacto do trabalho neste caso? Para a física, o trabalho é de baixa qualidade e por isso terá poucos leitores, para a computação o trabalho é de alta qualidade mas, como poucos computólogos lêem revistas de outras áreas, o artigo também terá poucos leitores. De uma forma ou de outra, apesar de ser honrosa a participação de alguém da computação no campo da física, o fator de impacto é baixo.

Em 2005 o professor de física Jorge E. Hirsch criou o hoje chamado índice-H. Este índice ficou famoso pela sua simplicidade e por correlacionar quantidade e qualidade. Um pesquisador tem índice X se ele tiver pelo menos X artigos com X citações a cada um deles. O meu orientador, por exemplo, tem índice-H de 10. Isso significa que 10 trabalhos dele foram citados pelo menos 10 vezes por outras pessoas. Em física, um cientista com uma produtividade moderada tem índice-h próximo ao número de anos de serviço, que parece ser uma afirmação válida também para os cientistas da computação. O índice-H privilegia aqueles com alta densidade de bons trabalhos. É muito melhor ter uma única boa publicação por ano, do que várias ruins.  

A principal crítica em relação ao índice-H é que ele não mede o impacto real do pesquisador. Por exemplo, Albert Einstein teria um índice-H igual a 5, não mais. Usar o número total de citações a um artigo também não tem muito valor, visto que elas podem estar em um contexto positivo ou negativo, podem ser fraudulentas ou irrelevantes. Um último problema do índice-H é o número de autores nos artigos. Como é possível dividir o impacto de um trabalho entre seus autores?

Pensando bem, o índice-h ficou famoso por ser pop. Ele consegue enaltecer o ego de grande parte dos pesquisadores mais influentes do mundo atual. Há várias injustiças, mas é um bom índice. É uma pena que não temos nada parecido, por enquanto, rodando na blogosfera.

Posted in Feb 20, 2009 by Vitor Pamplona - Edit - History

Showing Comments

Bom texto Vitor. Parabéns.

- - Nelson

- - Posted in Feb 22, 2009 by 201.75.61.191

Vitor, o indice h pode ser normalizado facilmente, por um fator multiplicativo (por exemplo, o índice h de um matematico deve ser multiplicado por 3 antes de ser comparado com o de um biólogo). Tambem existem (pelo menos tres tipos de) normalizacoes do indice h por numero de coautores. O indice h tambem é mais robusto em relacao a autocitacoes e citacoes negativas (do que o numero bruto C de citacoes).

De uma olhada neste post de hoje no meu blog:

http://comciencias.blogspot.com/2009/03/cientometria-como-area-de-pesquisa.html





- - Osame Kinouchi

- - Posted in Mar 3, 2009 by 189.70.55.57

E, sim, é possivel definir o Hirsch index de blogs, mas precisa-se convencer o Technorati e o BlogBlogs a implementá-los...

- - Osame Kinouchi

- - Posted in Mar 3, 2009 by 189.70.55.57

Add New Comment

Your Name:


Write the code showed above on the text below.