Vitor Pamplona

Innovation on Vision: Imaging , Enhancement and Simulation

Davi vs Golias, Estagiários vs Experientes

 Já dizia o ditado popular: mais vale um pequeno focado do que um grande estabanado. O Microsoft Windows Vista, anciosamente aguardado por quase todos os usuários Windows, revelou-se um gigante estabanado, lento e comilão. O sentimento de anciosidade transformou-se rapidamente em repúdio, assim como ocorreu com os fãs do XGL. O público percebeu que enfeites atrapalham muito mais do que ajudam. KDE 4 que se cuide.

Felizmente, esta lei não se remete apenas a enfeites, no sentido gráfico da palavra. IDEs como Eclipse, Netbeans e Delphi, sofrem frequentemente da mesma mazela, ter adicionado features desnecessárias ou com baixa utilidade para a maioria de seus usuários. Como se já não fosse ruim, estas features consomem memória, processamento e a paciência do desenvolvedor. Quem já não se viu puto com os MemoryLeak do Eclipse ou aquela demora excessiva em uma operação simples? (Abrir um arquivo, por exemplo?). Quantos de vocês já não tiveram vontade de entrar no core de um software e remover tudo o que é desnescenessário?

O MonoDevelop, que eu uso em um dos meus projetos, é simplesmente uma das melhores IDEs que eu já vi. A razão é bem simples, eu só preciso de quatro coisas: Árvore de projetos, syntax highlight, SVN e code completion. Só. Estas são as features que me trazem produtividade, o resto é enfeite. O MonoDevelop não tem nada além destas 4. Por que diabos eu preciso do servidor de aplicações e do browser rodando dentro da minha IDE? Ou, por que diabos eu preciso de um UI Designer dentro da IDE, se eu uso ele apenas em alguns instantes? Perguntas interessantes, não? Depois do Eclipse 3.3 que veio com uma Spelling mais lenta que o próprio compilador, as coisas inúteis do Eclipse ficaram mais claras. Você pode desabilitá-las, mas isso não torna a IDE mais leve.

A comunidade Java, como um todo, está experimentando o seu momento Golias. A infinidade de bibliotecas que existem para resolver o mesmo problema, assusta os iniciantes e os mais experientes. Como a grande maioria delas atinge o seu objetivo, soluciona um problema, a diferença entre elas é apenas detalhe. Diferenças que podem ser importantes para aumentar a produtividade de um time (a interface com o desenvolvedor, por exemplo) ou que simplesmente não fazem diferença alguma (como saber se é action-based ou component-based). Um bom profissional analisaria todas as opções disponíveis antes de tomar uma decisão mas, por exemplo, em frameworks MVC-Web Java open-source (repare como é específico), existem tantas opções que é impossível fazer esta análise. Obviamente este é o pior caso, mas outras categorias também já estão preocupantes.

Se você acha que eu iria perder a oportunidade de criticar todo mundo, está enganado. Muitos profissionais avançados e mais experientes não se dão conta deste problema e se tornam verdadeiros Golias, grandes mentes estabanadas. A prova que o ditado pode ser aplicado nesta ocasião é que, por diversas vezes, funcionarios mais novos e focados (aka estagiários) são mais produtivos (quantitativamente e qualitativamente) do que os mais velhos. O pior de tudo, é que os estabanados Golias acham que tê-los trocado por gente mais nova é um erro do gerente, afinal é ele quem vai perder qualidade quando, na verdade, o erro foi terem ficado grandes e inchados. A arte de pensar em inúmeros problemas antes da implmentação é extremamente prejudicial para solucões simples. Pense nisso.

O ditado também serve para explicar como VI, Rails, Gtalk e próprio Google fazerem tanto sucesso. Simples, produtivos e focados. Você quer ser Davi ou Golias?

Posted in Jan 17, 2009 by Vitor Pamplona - Edit - History

Showing Comments

Oi Vitor blz?

" A prova que o ditado pode ser aplicado nesta ocasião é que, por diversas vezes, funcionários mais novos e focados (aka estagiários) são mais produtivos (quantitativamente e qualitativamente) do que os mais velhos. "

Quantitativamente até pode ser, mas qualitativamente acredito não, lógico que existe casos raros, mas muitos estágiarios fazem muitas coisas, de qualquer jeito, sem padrão, sem metodologia, sem orientação e acabam fazendo algo muito ruim e que provavelmente terá que ser refeito ou de díficil manutenção. Lógico que depende do lugar que vc trabalha, não do lugar em específico, mas das pessoas, e de como é " adestrado " o estagiário ou funcionário mais novo.
Eu quando fui estágiario desenvolvi várias coisas, primeiro pq eu precisava aparecer (eu queria ser contratado, lógico hehe) e segundo pq eu queria mostrar q eu podia ser mais produtivo que uma pessoa mais antiga e com mais experiência, mas depois percebi que muitas coisas que fiz, não ficaram boas (elas funcionavam), mas coitado de quem fosse fazer alguma manutenção ou alteração no que fiz e o pior é que não tinha ninguém que pudesse me orientar e ensinar a fazer as coisas de um jeito padronizado e que tivesse um nível aceitável de qualidade, por mais que fosse simples de resolver o problema.
Esse assunto é complicado, dá pra discutir bastante. Hoje eu trabalho em uma empresa em que os mais novos se sobressaem sobre os mais velhos, pq os mais velhos simplesmente pararam no tempo, não evoluíram com a tecnologia e maioria dos mais novos também são muito acomodados, também pararam no tempo, acham que o que aprenderam na faculdade ou no estágio é suficiente e fazem coisas monstruosas. Isso do ponto de vista tecnológico, mas do ponto de vista do negócio, ai fica díficil, uma pessoa mais antiga com certeza tem muito conhecimento do negócio que o mais novo, dai em diante só depende da capacidade do mais novo de aprender e dominar o negócio de forma rápida e que supere o funcionário mais antigo.

Abraço.

- - Paulo

- - Posted in Feb 9, 2008 by 189.26.7.242

Acredito que deve haver um equilíbrio entre Davis e Golias atuando no mesmo espaço de trabalho. Não acredito que o fato de um ser mais focado que o outro é que o trabalho será resolvido com qualidade e tempo hábil, mas o Golias é necessário para poder fazer o papel de " advogado do diabo ", contestando severamente a solução e a implementação do (s) Davi (s).
Parabéns pelo texto, pois essa linha de pensamento lembra muito uma discussão recente no JavaFree sobre produtividade vs efetividade.
http://www.javafree.org/javabb/viewtopic.jbb?t=867013

Abraço,



- - Dalton Camargo

- - Posted in Feb 9, 2008 by 189.6.246.148

Ler este artigo me fez lembrar da velha história das " Canetas da NASA ", pra quem não conhece: Diz-se que a NASA teria investido milhões de dólares para desenvolver uma caneta esferográfica que funcionasse com gravidade zero, enquanto os Russos usavam lápis!
Simples e direto: D
Mas, voltando ao assunto, penso que profissionais do tipo " Golias " saem-se melhor em ambientes com processo de desenvolvimento deficiente (ou nulo), o que ainda é o caso de muitas empresas... nestes casos a experiência e o conhecimento acumulado tornam-se imprescindíveis!
Abraço,
Julianop


- - Julianop

- - Posted in Nov 10, 2008 by 200.215.112.105

otarios

- - kkkkkkkk

- - Posted in Jun 18, 2009 by 189.73.70.187

Add New Comment

Your Name:


Write the code showed above on the text below.